Sem terra em protesto contra decisão judicial

Sem terra  fecha linha férrea no Povoado de Itareru município de Valente

 

www.serrinhahoje.com.br

 

Dezenas de pessoas (Sem Terra) que vêm ocupando uma fazenda na localidade de Itareru, no Município de Valente, no Território do Sisal bloquearam a linha férrea na manhã desta terça-feira, 14,  utilizando troncos de arvores e pedras para impedir a passagem dos trens de carga que geralmente transporta minério.

As primeiras informações dão conta que a manifestação está acontecendo depois que receberam o comunicado da justiça dando o prazo de 48 horas para desocupação da fazenda pertencente a Izete Araújo Amâncio, viúva de Oldack Amâncio de Conceição do Coité, cujo prazo se expira hoje (terça).

A Policia Militar de Valente já se encontra no local e deve está negociando com os manifestantes.

 

 

INVASÃO

 

Em 29 de novembro do ano passado a proprietária da fazenda, A senhora Izete Mascarenhas Araújo, 81 anos, viúva a quase sete anos, procurou a redação do Calila Noticias para explicar que sua fazenda no Povoado de Itareru no limite entre os municípios de Conceição do Coité e Valente, invadida por sem terra no último dia 20, não foi atitude correta, pois, segundo ela a propriedade é beneficiada, tem lavoura de sisal que só não está sendo extraído por conta da seca, cria animais e mantém dois vaqueiros para cuidar.

“Levei um grande susto quando me telefonaram que tinham invadido, ai me perguntei: mas a invasão de terras não acontece com terras improdutivas? Eu tenho tanto cuidado com minha terra que meu marido e eu conquistamos com tanta luta, surgem pessoas tomando posse parecendo que não tem dono. Espero e confio na justiça dos homens e na justiça de Deus que eles vão desocupar, pois, estou sofrendo muito com isso”, afirmou a proprietária.


Terrenos doados virou uma vila que ganhou o nome Oldack Amâncio

Dona Izete disse que a fazenda tem cerca, cancelas, grandes represas, animais e principalmente o zelo, pois segundo ela gosta de tudo organizado, para isto cumpre rigorosamente os compromissos trabalhistas com funcionários, assinando suas carteiras e pagando 13º, ferias, FGTS e tudo que eles têm direito, possui mapas da fazenda que é possível identificar tudo que nela existe, paga o Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural – ITR, que é cobrado pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) até mesmo antes do vencimento.

Ela disse que não vai confrontar com ninguém, espera o bom senso de cada uma e o trabalho sério da justiça. “Não quero agredir ninguém, só Deus está do meu lado, eu tenho convicção que o que é meu ninguém vai me tomar nunca”, afirma.

Izete era esposa do saudoso Oldack Amâncio, segundo ela um dia ele chamou alguns moradores de Itareru e doou lotes de terra a dezenas de pessoas para que elas pudessem construir a trabalhar, de maneira que em gratidão colocaram o nome do local ‘Vila Oldack Amâncio’. As pessoas são muito gratas e estão ao meu lado neste momento e quero agradecer o apoio de todos”. Eu só lamento o caso de um filho de um trabalhador que Oldack deu dez tarefas de terras para trabalhar, esse menino é que está dando mais trabalho lá dentro”, lamenta.

Dona Izete disse que ali está a sua vida, pois quando foi comprada era mata virgem e meu marido trabalhava lado a lado com os trabalhadores, agora aparecem pessoas querendo ser donos. Se eles pensavam que, com a morte de Oldack a fazenda ia ser abandonada se enganaram, pois, sabendo que ele gostava muito dessa terra eu passei a cuidar até mais que ele que já era muito organizado”, concluiu a proprietária.

 

Fonte:  CN

 

voltar para REGIÃO

left show tsN fwB|tsN fwR fsN sbse center|c15 show center fwR|b01 bsd c10||image-wrap|login news fwB tsN fwR tsY b01 c05 bsd|normalcase fsN fwR c10|b01 c05 bsd|login news c05|tsN normalcase fwR c05|b01 normalcase c05 bsd|content-inner||